"Um espaço reservado para falar das lembranças, histórias e episódios dos mais de 50 anos de Mil Milhas Brasileiras. E de outras coisas mais!"

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Gerson Borini e o Opala 4 portas na Mil Milhas de 1993


Falar que determinado piloto, disputou uma determinada edição da Mil Milhas Brasileiras, em um Opala é chover no molhado, certo? Mas se esse Opala for uma versão 4 portas? Tradicional participante da prova entre os anos de 1970 e 2005, o modelo da GM sempre foi utilizado em sua versão coupé ou duas portas, na sua maioria derivados da Divisão 3 e Stock Car. Mas no ano de 1993, a dupla formada por Gerson Borini e Luiz Henrique Alves inovou neste sentido.

É certo que na 10ª edição da prova, disputada em 1970, o piloto Carlos Alberto Sgarbi pilotou um Opala 4 portas. Entretanto, há de se considerar que o modelo havia sido lançado há pouco mais de 1 ano antes, e que aquela participação fora mais um teste em si, um verdadeiro experimento.

Já no ano de 1993, os pilotos Gerson Borini e Luiz Henrique Alves resolveram trocar o antigo Opala ano 1980 de 2 portas com o qual disputaram as provas de 1990 e 1992 por um monobloco novo, da versão 4 portas, o qual, por ser mais novo e possuir maior rigidez estrutural, fora capaz de baixar o tempo do antigo Opala em cerca de 2 segundos. Com essa receita, o bólido em questão fez 3 participações na prova - 93/95 - e fora posteriormente vendido para um piloto de Santa Catarina, que passou a utiliza-lo em provas de circuito de terra.

Abaixo fotos da prova de 1994, cedidas gentilmente pelo próprio piloto Gerson Borini:





sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Roberto Moreno e a estreia em uma categoria brasileira


Um dos grande nomes de nosso automobilismo, o carioca de nascimento e brasiliense de coração Roberto Pupo Moreno correu a primeira vez em solo brasileiro, por uma categoria oficial, apenas no ano de 1989, quando disputou o GP de Fórmula 1 pela equipe Coloni. Isto porque logo após deixar o kart, iniciou em 1979 sua carreira na Inglaterra, mas especificamente na Fórmula Ford, quando fora eleito a revelação do ano. Moreno viria a ser campeão da categoria já no ano seguinte.

Porém, a estreia em uma categoria nacional ocorreu somente na 11ª etapa da temporada 2005 da Stock Car, disputada no saudoso autódromo de Jacarepaguá - que ainda não havia sido "estuprado" pelas obras do jogos Pan - Americanos de 2007 - a bordo do Mitsubishi Lancer da equipe Katalogo Racing, a convite do proprietário, Fernando Parra. Na época, Moreno mostrou-se interessado em participar da categoria na temporada de 2006, porém não houve acordo com os patrocinadores.

Nos treinos classificatórios, registrou o 37º tempo, à frente de Luiz Garcia Jr. e Ariel Barranco. Entretanto, se envolveu num acidente com Sérgio Paese ainda na 2ª volta de corrida - a qual fora vencida por Giuliano Losacco, que inclusive havia largado na pole - e teve de abandonar. Na época, Moreno contava com 46 anos de idade. 

Já em 2007 e 2008, o piloto disputou provas no extinto campeonato GT3 Brasil, à bordo de uma Ferrari F430, em parceria com Carlos Crespo. Em 2007, disputou 06 corridas, tendo registrado 02 voltas mais rápidas e 01 pole position, pela equipe CRT. No ano de 2008, participou somente de 02 corridas, sem resultados expressivos, pela equipe Tigueis Super Stock.


quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Ford Corcel I nas Mil Milhas de 1973

 
Flagras do Ford Corcel I nº 48 na 11ª edição da prova Mil Milhas Brasileiras, disputada em 09 de dezembro de 1973 no autódromo de Interlagos. Com o grid formado basicamente por VW's, Opalas e Maverick's, preparados sob o regulamento da Divisão 3, o modelo Ford pilotado por Jerônimo e Francisco Pereira destacou-se mais pelo exclusivismo do que pelo desempenho.

Após largar na 56ª posição, com o tempo de 04min19s, o Corcel completou apenas 34 das 201 voltas totais da prova, suficientes para deixá-lo na 48ª posição na classificação geral, num grid de 64 carros.