"Um espaço reservado para falar das lembranças, histórias e episódios dos mais de 50 anos de Mil Milhas Brasileiras. E de outras coisas mais!"

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Opala 1973 Hot Rod de Fernando Leme: Um dos mais belos da arrancada de São Paulo


A história retratada hoje não tem um "final feliz". Porém, não poderia deixar de falar sobre esse carro, que para mim, foi um dos mais bonitos da arrancada paulista. Estou falando do Opala Gran Luxo 1973 de Fernando Leme, que disputou a temporada de 2004 do paulista e terminou por abrir caminho  para uma carreira vitoriosa de seu piloto.

O Opala em questão foi adquirido em meados de 2000, em um evento de carros antigos, e logo sofreu uma bela reforma que o deixou ainda mais impecável, passando também por uma clássica preparação aspirada do motor, com três carburadores Weber 40, comando de válvulas com maior abertura e trabalho do cabeçote, através do polimento dos dutos e adoção de válvulas maiores. Porém, como os planos eram disputar provas do campeonato paulista, esta receita sofreu algumas alterações, com a adoção de um carburador quadrijet 750 cfm e sistema de óxido nitroso com 100 cavalos, rendendo 380 cavalos com a injeção do nitro para domar a fera, câmbio de 04 marchas do Maverick e suspensão completa do Opala 1992, com freio a disco nas 04 rodas.

Como dito, o lindo Opalão disputou toda a temporada de 2004 do campeonato paulista de arrancada, sempre pela categoria Hor Rod, cujo regulamento permitia o uso de sobrealimentação. Nessa época, as provas do paulista eram disputadas na medição de 330 metros, que se revelava insegura, haja vista que o espaço para frenagem era diminuto, e não raro, alguns carros acabavam atingindo o muro do final da reta. Tal situação motivou a mudança para distância de 201 metros (1/8 de milha), já na 1ª etapa de 2005. Entretanto, na última etapa de 2004, o muro de Interlagos fez mais uma vítima, justamente o Opala 1973 branco impecável. A porrada foi forte, e a frente do carro ficou completamente destruída, afetando também a estrutura e forçando a sua aposentadoria.

Uma pena um carro tão lindo ter esse fim. Mas, como tudo tem o seu propósito, essa pancada acabou por abrir caminho para novos projetos do piloto Fernando Leme, que culminaram na construção de seu Opala azul recordista de potência e vitorioso nas pistas.







quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Carlos "Sueco" Gonçalves e o Opala "quente" na Mil Milhas de 1997


A história de hoje data de 20 anos atrás, ocorrida justamente na primeira ocasião em que a Mil Milhas Brasileiras saiu de Interlagos, numa tentativa de salvar a prova do fiasco que ocorreu em 1996, sendo que ambas as histórias já foram contadas em nosso blog. Para relembrá-las, é só selecionar os respectivos anos na lista de marcadores do lado direito da tela.

Voltando a 1997, entre os inscritos da prova disputada em Brasília estava o Opala nº 93 do trio formado por Carlos "Sueco" Gonçalves/José Teixeira (falecido)/Fausto Camacho, tradicional participante do Campeonato Paulista de Stock Car e de várias edições da Mil Milhas, assim como seus experientes pilotos.

No magro grid de 25 carros, o Opala largou entre os últimos colocados, sendo que fora galgando posições ao longo da disputa. Entretanto, após cerca de 04 horas de corrida, a quebra da bandeja inferior da suspensão dianteira forçou uma indesejada parada nos boxes de mais de 40 minutos, em razão da troca do quadro dianteiro da suspensão. Após o retorno à pista, os pilotos baixaram a bota, de modo que o Opalão passou a virar bem abaixo da marca contumaz de 2min08s, andando no limite do equipamento. 

Porém, as provas de longa duração cobram muito caro da resistência dos bólidos, e com o valente GM não foi diferente: Os freios traseiros abriram o bico, acabando por completo em uma das voltas e fazendo com que o  piloto tivesse que andar de lado nas curvas, no melhor estilo "drift". Além disso, durante uma das trocas de piloto, iniciou-se um pequeno incêndio nos freios traseiros, que proporcionou um belo susto aos presentes. Mas nem esses problemas impediram o valente Opala e seus pilotos guerreiros de receberem a bandeirada final, tendo alcançado a 3ª posição na categoria.












Agradecimento: Somente foi possível concluir esta postagem fazendo uso das valiosas imagens e informações fornecidas pelo piloto Carlos "Sueco" Gonçalves. Sueco, muito obrigado pela gentileza!!