"Um espaço reservado para falar das lembranças, histórias e episódios dos mais de 60 anos de Mil Milhas Brasileiras. E de outras coisas mais!"

quinta-feira, 21 de janeiro de 2021

Mercedes Benz 190 E de Raul Boesel - 1989

Está chegando a hora da 40ª edição das Mil Milhas Brasileiras (ou do Brasil), que será realizada no próximo domingo, 24 de janeiro, no Autódromo José Carlos Pace, nosso querido Interlagos. A largada será dada às 07:30 da manhã, em horário que foge completamente da tradição.

Fiquem ligados, queridos leitores, que traremos as informações atualizadas sobre os treinos e prova nos próximos dias, sob grande expectativa de cobrir a prova pelo segundo ano consecutivo, em parceria indispensável com meu querido irmão Rodrigo Carelli, a mente por trás do excelente //blogdocarelli.blogspot.com, com canal do Youtube repleto de vídeos históricos e exclusivos.

Mas enquanto a prova não chega, vamos a mais um capítulo da rica história de 65 (sessenta e cinco) anos do maior evento automobilístico genuinamente nacional.

Um dos primeiros importados a disputar as Mil Milhas, com a abertura do regulamento para carros fabricados fora do Brasil, a Mercedes Benz 190E 2.3 inscrita sob o nº 48 causou grande expectativa para a edição disputada em 1989, que veio a ser a última do antigo traçado.

Porém, o bólido alemão ficou só na expectativa mesmo, pois o trio Raul Boesel/ João "Capeta" Palhares/Raymond Lourel, sendo este último piloto francês e proprietário do carro, ficou pelo caminho ainda durante a madrugada, em virtude de um problema no circuito eletrônico da injeção/ignição, enquanto liderava a prova com Raul Boesel ao volante. Mas mesmo assim, sua beleza ficou registrada na história!





terça-feira, 19 de janeiro de 2021

O "after" da prova de 1998

 

Depois de uma longa jornada de 12 horas de corrida em 1998, os bólidos foram devidamente estacionados em posição 45 graus perto da linha de chegada de Interlagos. Na foto, podemos conferir os seguintes carros:

- Chevrolet Omega nº 27: Marcos Miyake, Walter Fernandes, Marco Morais e Sérgio Fernandes – 293 voltas (12ª posição)

Ford Escort Nº 39 Amilton Faravelli, Ricardo Serata e Sérgio Ventura – 288 voltas (14ª posição)

Aldee RTT Nº 8 Fábio Streinbuch, Marcelo Gomide e Elias Antônio – 309 voltas (10ª posição)

Protótipo 2000 AD Nº 21 Eduardo Homem de Mello, Cláudio Gasparini e Amílcar Lopes – 343 voltas (8ª posição)

Chevrolet Monza Nº 62 Filipe Meirelles e Mirko Hlebanja – 248 voltas (19ª posição)

Chevrolet Omega Nº 31 Paulo Oliveira Neto e Isac de Matos – 288 voltas (13ª posição)

Speed 1600 Nº 96 Zarrir Adebe Jr. e Edson Vicencoto – 285 voltas (15ª posição)


domingo, 17 de janeiro de 2021

Opala Hot Car de Eduardo Pimenta - 1990

Caros leitores! O post de hoje traz o Chevrolet Opala Hot Car do trio Eduardo Pimenta/Oscar Chanoski/Roberto Gouveia, que na edição de 1990 - a primeira disputada no atual traçado de Interlagos - das Mil Milhas Brasileiras, alcançou a 3ª posição na classificação geral, com 348 voltas completadas.

À frente do Opalão, apenas o Opala Hot Car da dupla José Carlos Dias/Carlos Alves, que venceu a prova, e o Stock Car (carenagem hidroplás) dos campeões Chico Serra/Luiz Alberto Pereira.

Cabe destacar que aquela edição (20ª na história) trouxe um grande impacto para carros e pilotos, pois o novo traçado, além de mais lento, é bem mais sinuoso que o antigo Interlagos, que tinha retas enormes, fato este que causou grande desgaste para pilotos e máquinas. Tanto o foi, que dos 49 carros que largaram, apenas 16 chegaram ao final.



quarta-feira, 13 de janeiro de 2021

Maverick, Opala e Mustang na Mil Milhas de 1992


Um belo flagra dos treinos da 21ª edição da Mil Milhas de 1992, desta feita um registro feito na saída da curva do laranjinha. Na foto, o Ford Maverick nº 16 da tradicional equipe Automotor (neste ano com Ney Faustini ao volante), sendo seguido pelo Opala Stock Car "carenado" de Roberto "Coruja" Amaral, pelo Chevrolet Opala inscrito com o nº 31 e por ultimo, pelo Ford Mustang nº 10 de Denísio Casarini/Fábio Greco. Infelizmente, nenhum desses bólidos terminou entre os 10 primeiros colocados, sendo que o Mustang largou na 3ª posição e chegou a liderar a prova.



segunda-feira, 11 de janeiro de 2021

Carretera Chevrolet Corvette nº 82 - 1957


Hoje trazemos para vocês um close na usina de força da Carretera Chevrolet 1939 nº 82, utilizada pela dupla José Gimenez Lopes e Chico Landi na Mil Milhas de 1957. Trata-se de um motor V8 derivado do Corvette, com dupla carburação quádrupla, preparado nos EUA, que moveu o bólido vencedor na pista daquela edição. Cabe lembrar que o câmbio também era derivado do Corvette, enquanto os freios vieram de uma Ferrari.

Digo vencedor na pista, pois a carretera fora desclassificada na terça-feira depois da prova, em virtude de na 2ª volta da disputa, José Gimenez Lopes ter recebido sinalização para entrar nos boxes e efetuar o reparo de uma das lanternas traseiras. Porém, não parou e a prova seguiu, tendo o piloto Chico Landi até subido ao pódio como representante dos vencedores. Mas, como dito, o resultado acabou sendo anulado, ficando a vitória com a Carretera Ford nº 9 de Orlando Menegaz/Aristides Bertuol.



sábado, 9 de janeiro de 2021

Mil Milhas do Brasil 2021

Estimados leitores! A boa notícia para esse mês de janeiro, que todos nós esperamos que seja o primeiro de um ano muito melhor que o passado, é que teremos novamente a realização da nossa tradicional Mil Milhas do Brasil.

Mesmo com um cenário incerto e repleto de dificuldades, a organização da prova, capitaneada pela admirável e competente Elione Queiroz, manteve a firmeza demonstrada desde a realização da prova do ano passado, e assegurou o evento desse ano na data próxima ao aniversário da cidade de São Paulo.

E nessa expectativa e ansiedade para o final de semana dos dias 23 e 24, o blog da mil milhas terá publicações a cada dois dias até a realização da nossa querida prova. Iniciando a série, trago para vocês o FNM JK 2000 da dupla Fábio Steinbruch (in memorian) e Osvaldo de Barros, que utilizou esse clássico dos anos 60 na edição de 1993. Cabe ressaltar que a preparação do carro ficou a cargo da equipe de Renato Gouveia, tradicional participante com seu Chevrolet Camaro 1973.



sábado, 2 de janeiro de 2021

Protótipo Aldee RTT de Giuliano Losacco em 2002


O carro pode ser considerado um assíduo frequentador de nosso blog, pois em 03 (três) oportunidades já falamos sobre o Aldee RTT que atualmente pertence ao piloto Marco Scalamandré. Mas o registro de hoje é do ano de 2002, temporada em que o piloto Giuliano Losacco utilizou o Aldee no Campeonato Paulista de Automobilismo.

O início da empreitada se deu meio que por acaso. Luiz Otávio Paternostro, piloto com participações em diversas categorias nacionais e tio de Losacco, tinha adquirido o protótipo e feito apenas 01 prova. No início de 2002, o carro (com pneus e combustível para correr a temporada inteira) foi cedido por Pater ao Losacco, que venceu 15 das 19 corridas do Paulista de Força Livre e foi campeão da categoria naquele ano. E com algumas corridas na Stock Light em 2002, chegou à V8 no ano seguinte. E o resto é história...