"Um espaço reservado para falar das lembranças, histórias e episódios dos mais de 50 anos de Mil Milhas Brasileiras. E de outras coisas mais!"

segunda-feira, 21 de abril de 2014

Audi RS2 na Mil Milhas de 2003

Lançada em março de 1994, a Station Wagon Audi RS2 é uma verdadeira "loba em pele de cordeiro". Por mais que a carroceria lhe dê a identidade de carro familiar, o desempenho é digno de um carro com "genética" esportiva. Debaixo do capô, um 2.2 litros, de 5 cilindros e 20 válvulas, auxiliado por um turbocompressor e intercooler (resfriador de ar para a admissão), era capaz de gerar 315 cavalos e levá-la dos 0 a 100 km/h em menos de 6 segundos. Para passar essa potência para o chão, câmbio manual de 6 marchas e tração integral nas 4 rodas. Foram produzidos cerca de 2900 exemplares da RS2, e cerca de 60 vieram para o Brasil. Enfim, um verdadeiro esportivo que só tem seu lugar ameaçado em minha garagem (rsrsrsrs, sonhar é de graça e faz bem à saúde) pela sua sucessora, a RS4, lançada em 2001.

Na 31ª edição da Mil Milhas Brasileiras, disputada em janeiro de 2003, uma RS2 mostrou sua cara e aguentou as quase 12 horas de disputa, chegando ao final com as marcas da madrugada de Interlagos, mas firme e forte. Na ocasião, a SW alemã foi pilotada pelo quarteto José Roberto Venezian/Denis de Freitas/Juliana Carreira/Luís Carreira Júnior (então campeão da Copa Clio, categoria que havia estreado em 2002). No grid, marcou o 49º tempo (dos 60 carros que marcaram tempo) com 2min00s545. Já na corrida, o desempenho foi melhor, pois a posição final na classificação geral foi o 15º lugar (com 301 voltas completadas) e o 4º lugar na categoria 1, perdendo para 3 Porsches GT3 (inclusive o vencedor na geral) e para a rival Marea Weekend Turbo, na época uma veterana na prova.





sexta-feira, 11 de abril de 2014

Giuliano Losacco na abertura da Stock Car em 2014


Apesar de a corrida que marcou a abertura da temporada 2014 da Stock Car ter acontecido há mais de 2 semanas atrás, não esqueci de comentar (só faltou tempo!) sobre a participação do bicampeão da Stock Giuliano Losacco, que formou dupla com o estreante Rafael Suzuki num dos carros da equipe de Duda Pamplona, a Pro GP.

Infelizmente os resultados nos treinos e na corrida não foram dos melhores, mas simplesmente afirmar isso é ser no mínimo injusto. É necessário citar que os pilotos enfrentaram muitos problemas de instabilidade e falta de equilíbrio nos freios durante os treinos, e que tais problemas só foram solucionados após o treino de classificação, o que comprometeu o desempenho na prova. Apesar de largar lá atrás (32º lugar), a Rafael Suzuki fez um ótimo trabalho, galgando várias posições, tanto que foi para os boxes quando ocupava o 10º lugar. Mas um problema durante a parada obrigatória fez com que todo o trabalho fosse jogado fora. Cumprindo a 2ª parte da corrida, Losacco imprimiu bom ritmo, mas não conseguiu ir além do 25º lugar. 

Confira a declaração de Suzuki depois da prova:

Rafael Suzuki: “De uma forma geral, o fim de semana foi bem complicado. Conseguimos resolver os problemas nos freios apenas no sábado à noite, e não tivemos a chance de conferir como estava o desempenho do carro em pista seca hoje. Mas a performance na chuva foi bem legal: larguei lá atrás, atrasamos a parada e entreguei o carro em décimo, e até chegamos a sonhar em marcar um ponto. Infelizmente, o motor apagou durante o pit-stop, e perdemos 40s além do normal nessa parada. Foi uma pena, mas valeu muito pelo aprendizado que nós tivemos aqui ao longo do fim de semana em Interlagos. Certamente que essa experiência vai ser muito útil no decorrer da temporada.”

Essa foi a 116ª prova de Losacco na Stock, torço para vê-lo de volta ao grid ainda nessa temporada. Ainda tem uma vaga em aberto na RC3 Bassani, quem sabe ele não fecha? Gostaria também de vê-lo no Brasileiro de Marcas, onde ele já participou de corridas em 2011. Mas tem horas que acho que ele não tem mais planos de competir. De 2007 a 2012 na Stock foram anos de muito trabalho e resultados abaixo do talento dele. Isso desmotiva muito. Mas enfim, é um grande piloto e uma grande pessoa, e que merece e muito voltar a ocupar as primeiras posições, e quem sabe o lugar mais alto do pódio!





terça-feira, 1 de abril de 2014

Miniatura de Tomaso Pantera GTS 1974 escala 1:43


Compartilho hoje com os leitores as fotos de uma miniatura de minha coleção na escala 1:43. Trata- se do italiano De Tomaso Pantera GTS ano 1974, esportivo que foi fabricado entre 1971 e 1991, e que foi projetado pelo designer americano Tom Tjaarda. Conheci esse modelo há cerca de 10 anos atrás, lendo matérias sobre eventos de carro antigos, como a Subida da Montanha, realizada no Pico do Jaraguá em São Paulo. Me tornei fã do carro e tempos depois adquiri essa miniatura por ser semelhante ao De Tomaso 7.0 de Júlio Penteado, recordista de velocidade no antigo Festival de São José dos Campos, realizado na base aérea da Aeronáutica.