"Um espaço reservado para falar das lembranças, histórias e episódios dos mais de 60 anos de Mil Milhas Brasileiras. E de outras coisas mais!"

sábado, 15 de julho de 2017

Série nomes que fizeram/fazem a Stock Car - Parte XII: Pilotos do Nordeste


Como bom Nordestino, não poderia deixar de fora dessa sequência do blog as histórias das participações de nossos pilotos na maior categoria do automobilismo. Nestes quase 40 anos da Stock, tivemos alguns exemplos de persistência, determinação e coragem dos pilotos vindo do Nordeste, região que apesar de contar com 02 autódromos, carentes de urgentes reformas, ainda depende da luta de abnegados esportistas e entusiastas para manter vivo o espírito do automobilismo.

A primeira participação de um piloto nordestino ocorreu logo na 1ª temporada, mais especificamente na 7ª etapa, disputada no Autódromo Virgílio Távora, em Eusébio (CE), quando o piloto local Luiz Alberto Pontes alugou o carro de Mauro Mota e marcou o 9º melhor tempo na classificação, fazendo frente a outros pilotos que iniciaram o campeonato inaugural, embora vários nomes fortes não viajaram para disputar aquela prova. Entretanto, Pontes não chegou a terminar a corrida.

Passados 08 anos, outro nome do Nordeste passou a figurar nos grids da Stock. Trata-se de Rogério dos Santos, o "Jegue Voador", que fez muito sucesso no Campeonato Brasileiro de Marcas e Pilotos e na Fórmula Fiat. Naquele ano de 1987, Rogério participou de todas as etapas da temporada, exceto a prova disputada em Tarumã, sendo que o melhor resultado fora o 11º lugar obtido na 3ª etapa (Interlagos). Somente em 2000, o Jegue Voador voltou à Stock, quando disputou 02 provas, tendo obtido resultados discretos, enquanto que na temporada de 2006, disputou novamente 02 provas (as duas primeiras etapas), com a bolha do estreante VW Bora. Ao todo, foram 11 corridas na categoria.

Em 2001, o piloto pernambucano Adson Moura, irmão de Danuza Moura, disputou 05 corridas pela Equipe Hot Car, ano em que aconteceu a estréia do motor V8 na categoria. Cabe ressaltar que o piloto também participou das Mil Milhas de 2001* e 2002**, tendo alcançado a 8ª e 42ª posição na geral, respectivamente.

O nordestino de maior sucesso e que até hoje permanece na Stock estreou no ano de 2004, depois de passar por categorias como a Fórmula Chevrolet, chama-se Valdeno Brito. Paraibano, nascido em Campina Grande e radicado em João Pessoa, estreou pela equipe Nascar Motorsports, de Aloysio Andrade Filho, na última temporada em que o proprietário se dividiu entre as funções de chefe de equipe e piloto, quando seu posto fora assumido por Wagner Ebrahim. Desde então, Valdeno tem sido figura constante nos pódios da Stock, enquanto obteve a primeira de suas 08 vitórias - mesmo número de poles - na temporada de 2008, mais especificamente na 1ª Corrida do Milhão, com o Astra da equipe de Andreas Mattheis. Seu melhor resultado na classificação final do campeonato foi o 5º lugar em 2008, enquanto que fora eleito o novato do ano em 2004.

O ano de 2006 trouxe a estréia de 02 Cearenses na categoria, Hybernon Cisne e Geraldo "Mano" Rola, sendo que ambos disputaram a temporada completa. Cisne não chegou a marcar pontos, enquanto Rola obteve 03 pontos na 3ª etapa, disputada em Campo Grande-MS, a bordo do Astra da equipe Hot Car, época em que somente os 15 primeiros pontuavam.

Novo piloto do Nordeste só apareceu em 2011, quando o Baiano Diego Freitas disputou a 8ª etapa, em sua terra natal, com o Peugeot da equipe Scuderia 111, tendo obtido o 19º lugar. E repetiu a dose em 2012, ao disputar a corrida de Jacarepaguá, a última da categoria no autódromo, diga-se de passagem, quando terminou na 18ª posição, com o Peugeot da Bassani Racing.

Ainda em 2012, tivemos a estréia de outro Baiano, Patrick Gonçalves, que disputou 09 provas pela equipe de Carlos Alves, ao passo que seu melhor resultado fora o 18º lugar obtido em Cascavel. Na temporada seguinte, Gonçalves ainda disputou outras 03 corridas, novamente pela equipe de Eduardo Bassani, sem bons resultados.


* Protótipo Espron, em trio com Fred Lengyvel e Ricardo Arantes - 336 voltas completadas.
** Protótipo MCR, em quadra com Fred Lengyvel, Ricardo Arantes e Marcelo Reis - 188 voltas.


Rogério dos Santos - RS Competições - 2006

Rogério dos Santos

Geraldo "Mano" Rola - Hot Car Competições - 2006

Hybernon Cisne - Equipe Powertch - 2006

Valdeno Brito - Nascar Motorsport - 2005

Valdeno - JF Racing - 2007

Equipe A. Mattheis - 2008

RCM Competições - 2009

2012

TMG Racing - 2016

Diego Freitas - Scuderia 111 - 2011

Carlos Alves Competições - 2012

Nenhum comentário:

Postar um comentário